ECONÔMETRO

Economizados com os projetos da Comfort Lux

Iluminação natural colabora para o desempenho e a economia das edificações 28/07/2016 | em : Sustentabilidade/Eficiência energética

Iluminação natural colabora para o desempenho e a economia das edificações

Para que seja aproveitada ao máximo deve ser analisado o clima da região, quantidade de luz, orientação solar e quantidade de horas de luz por dia.

A importância de se projetar edificações capazes de melhor aproveitar a luz natural vai muito além da economia gerada pela redução no consumo de energia com iluminação artificial. Morar ou trabalhar em ambientes que recebem pouca ou nenhuma quantidade de luz solar pode ser prejudicial à saúde das pessoas, causando problemas como depressão. “Recentemente foram divulgados estudos comprovando que a utilização da iluminação natural traz benefícios ao bem-estar dos ocupantes, mas sua ausência pode proporcionar danos à saúde”, afirma o arquiteto Dimas Bertolotti, especialista em conforto ambiental e professor da universidade FIAM-FAAM, explicando que essas pesquisas tiveram início no norte europeu, onde os dias são curtos e as noites mais longas. “Foi identificado que habitantes desses países sofrem de um tipo de depressão chamada SAD - Seasonal Affective Disorder -, causada pela falta de luz natural”, disse.

Segundo o arquiteto, o corpo do ser humano é ‘programado’ para ser ativado pela iluminação natural. A luz estimula a região do cérebro responsável por avisar o restante do organismo que está no momento de acelerar as atividades vitais. Por outro lado, com a ausência de iluminação natural o corpo tende a funcionar como se estivesse no período de repouso, causando os sintomas de depressão. Para evitar esse tipo de problema e construir ambientes mais agradáveis, adotar soluções arquitetônicas que proporcionem melhor aproveitamento da iluminação natural é procedimento fundamental. “A iluminação natural colabora com a fluidez estética da arquitetura. As pessoas têm tendência a observar a forma ou tamanho da edificação e não prestam muita atenção na iluminação, mas os principais arquitetos usam a luz como elemento de projeto. Nas grandes obras, o papel da luz é essencial, porque realça os espaços. Os profissionais que utilizam esse recurso conseguem desenvolver construções interessantes e esteticamente agradáveis”, explica.

Para aproveitar ao máximo a iluminação natural devem ser realizados estudos logo no início do projeto de arquitetura, analisando questões como o clima da região, quantidade de luz, orientação solar, quantidade de horas de luz por dia, entre outros dados. “É possível e viável elaborar projetos baseados no melhor aproveitamento da iluminação natural. Em países tropicais, dependendo de sua latitude, há diferentes soluções que podem ser adotadas, como orientar as aberturas para o norte, possibilitando maior disponibilidade de luz durante o dia”, destaca Bertolotti.

O projeto da edificação pode ser desenvolvido com o uso de softwares que permitem a modelagem do edifício, além da avaliação de questões como a previsão de quantas horas de luz o ambiente receberá por dia, qual quantidade de calor vai entrar, qual o tamanho das aberturas, entre outros. “Alguns recursos que colaboram para o melhor aproveitamento da iluminação natural, como brises, podem aumentar o custo da obra e, por isso, alguns construtores e empreendedores evitam essas soluções. Porém, esse valor é muito pequeno em relação ao custo total da construção, estimado entre 1% e 2% dos gastos totais. Além disso, esse investimento é compensado no decorrer do tempo, principalmente com a economia de energia gerada durante toda a vida útil da edificação”, destaca o arquiteto.

Fonte: AECweb



+55 51 3362-1680