ECONÔMETRO

Economizados com os projetos da Comfort Lux

A construção sustentável e a crise hídrica e elétrica no Brasil 06/10/2016 | em : Sustentabilidade/Eficiência energética

A construção sustentável e a crise hídrica e elétrica no Brasil

Em época de crise hídrica, como a que observamos hoje em vários Estados brasileiros – como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais –, a economia de 30% a 50% no consumo de água é um grande diferencial para as edificações. Temos alguns exemplos de empreendimentos que têm alcançado esta marca, como é o caso do Tietê Plaza Shopping e de prédios comerciais como o Cidade Jardim Corporate Center, ambos localizados na cidade de São Paulo.

Paralelamente, vemos uma série de influências no setor energético, uma vez que nossa maior fonte geradora é baseada em hidrelétricas. Já estamos passando por reajustes tarifários e a possibilidade da falta de energia é grande, caso o cenário não melhore. Diante disto, a economia de energia em cerca de 30% nesses empreendimentos também é uma margem importante conquistada.

Hoje, o mercado já enxerga na sustentabilidade um grande diferencial de economia nos custos operacionais. Nos edifícios que são ocupados pelos próprios donos, a economia operacional é significativa e o retorno do investimento é rápido e certo. Nos espaços ocupados por terceiros, esta redução de consumo passa a ser um grande argumento de locação, além de possibilitar um ganho melhor para o investidor, sem que ele precise, necessariamente, aumentar o custo.

Normalmente, a busca por construções sustentáveis é forte por parte de grandes multinacionais que levam em conta estes critérios em suas diretrizes de compra ou locação dos espaços que irão ocupar, mas a tendência é que isto passe a ser adotado por todas as empresas que buscam economia operacional ou melhoria de desempenho dos seus usuários. Já temos alguns exemplos na esfera pública. O governo do Estado de São Paulo passou a exigir que suas escolas e hospitais obtenham a certificação AQUA, e o próprio governo federal agora exige a etiquetagem PBE Edifica nível A para suas edificações.

Texto completo aqui

Fonte: Revista Green Building



+55 51 3362-1680